Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2011

DESTINO

Ás vezes, o acaso bate à sua porta. Mas quando você pergunta quem é, ele responde: destino... Eu ando distraída, alegrias e interludios, se alternam em minhas razões Acomodam-se em horizontes e me chamam à vida. Como se tudo fosse passageiro Um cenário móvel. Sinto não ter vocação para montanha - observo pouco. Há uma vontade contemplativa e mutante ao mesmo tempo. Sem medo do desconhecido, sigo abrindo portas, conhecendo pessoas, lendo sorrisos. Essa gama de matizes que tornam o hoje, um repente o amanhã, um todo de incontáveis e possíveis rumos.

PARQUE DAS NAÇÕES INDÍGENAS

“Lá vento é mágico. Venta muito, e tanto, e sempre. O lago encanta O verde chama A natureza é suprema Vi quatis brincando Uma capivara se banhando O rio prosa passando pelo parque. O rio não passa. Passeia. Como todos os que lá estão...” Há um tempo que não o visitava, E agora o Parque tem ciclovia, parque para crianças, banheiros limpos. Cada portão tem o nome de uma aldeia indígena: Kaiowa, Ñandeva, Kadiwéu, Guaicuru, Terena. Está todo sinalizado para ciclistas e pedestres. Muito organizado. Para garantir a segurança, um posto da Polícia Militar foi instalado dentro do Parque. Dispõe de quadra de esportes, pátio para skate e patins, sanitários (limpos), pista asfaltada para caminhada de quatro mil metros. Dentro do Parque há o Museu do Índio, Museu de Arte Contemporânea (MARCO), Museu de História Natural, além do Monumento do Índio e a Concha Acústica Helena Meireles onde acontecem diversos espetáculos. O parque está localizado nos altos da Avenida Afonso Pena,

TRANSLÚCIDA

Nem sempre somos o que parecemos Nem o que aparecemos Mas o resultado de acontecimentos Diversos, Adversos, Perversos, Complexos Perplexos Sobrevivemos do que algumas ilusões orquestraram  ou ocasiões sugeriram. Ilusões, fantasias êxtases, decepções. O que importa, é não perder o embarque A   próxima aventura pode começar nesse instante. O que conta, é carimbar sua história com coragem e com a vontade de quem acredita que muita coisa pode dar certo Convivendo com os medos, tropeços, e festejando alegrias, Se despencar, não demore no desmoronar. Quem sabe essa história   ainda tenha um final feliz... Quem não quer? (Carmen Eugenio)

Belmar Fidalgo

Caminhar é uma das minhas grandes alegrias. Quando não estou em minha academia particular, que montei em meu apartamento para compor meus horários devido à falta de tempo, gosto de andar pelos parques de Campo Grande-MS. A Praça Esportiva Belmar Fidalgo, sobre o qual falarei hoje, é um dos meus locais prediletos. O exercício físico ao ar livre é muito mais gostoso. A caminhada olhando para as árvores e as Palmeiras Imperiais, é terapêutica. Aniquila a ansiedade e as indesejáveis celulas adiposas, fontes de grandes aborrecimentos. Sua localização é central e o circuito da pista para caminhada é enxuto, 425 metros. A Praça  Belmar Fidalgo possui duas quadras poli esportivas, arena para quadras de areia, pista de cooper, banheiros (limpíssimos!!!! Coisa rara em um lugar público), duchas, campo de futebol suíço, playground infantil, área para ginástica,  sede administrativa, muito verde e muita iluminação. Eu adoro estar lá e o lugar é muito frequentado. Há policiamento da guarda mun

ROMANCE

Eu quero ser sutil, mas que não pareça ingenuidade. Olhei para o céu hoje, Ao redor não encontrei ninguém. Esperei ver novamente  um olhar, uma voz Quando queremos muito ver alguém Ou o tempo não passa... Ou passa rápido demais. Eu sou alguém sem o impossível. Em algum momento terei resgate, Ainda com vida, Daquilo que sufoca e afoga. Levarei o mesmo céu que me acalentou. E esse romance Com maçã-do-amor. Entender segredos, dançar. Caminhar sem pressa, pois toda a espera Acaba por se justificar