Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2010

A ARTE-EDUCAÇÃO E OS MEUS SONHOS

Essas aulas são de modelagem em Argila. Motivo de muita felicidade para as crianças e muita dor de cabeça para o pessoal da limpeza. Por essa razão, acabaram proibidas pela direção da escola. Tristeza para mim e para as crianças. Então eu resolvi contar dois dos meus sonhos. Um, é que toda escola pública possa ter uma sala de artes com bancadas individuais e instalações apropriadas para esse fim. Assim, o arte-educador poderá receber os alunos em um ambiente adequado para desenvolver as atividades de artes. O que acontece hoje, é o seguinte: O professor de artes, tem uma aula apenas de 45 minutos onde é praticamente impossível verificar o aproveitamento de todo o seu potencial. As aulas , ao menos,deveriam ser geminadas. Como podemos observar nas fotos, as crianças, carentes de atividades lúdicas no seu dia-a-dia, por razões largamente propagadas, ficam intensamente felizes nas aulas de artes. São aulas em que sentem-se motivadas para desenvolverem sua capacidade de criação e a

E FIM? ENFIM...

Engraçado como às vezes temos a nítida impressão de que erramos com alguém. Mas não sabemos como foi, onde, de que maneira que aconteceu...em que pedaço do caminho a gente se perdeu...se desconectou... Só sentimos a cisão. Que vontade de perguntar: onde foi que eu errei? Mas, geralmente, ficamos sem resposta. Como se houvesse a obrigação de saber, como se estivesse implícita a responsabilidade da ciência do fato em si. Eu não sei o que o outro pensa. Eu não sei o que você pensa, enquanto você não me disser. E porque a maioria das pessoas acredita que temos a obrigação de traduzí-las, só porque a amamos ou porque gostamos delas mais do que o normal? Eu sou apenas um ser humano tentando acertar e ser feliz. Nada mais. Tenho quase certeza de que muitas vezes a beleza, o dinheiro, a fama e o poder não significam,necessariamente, felicidade. Esta, geralmente, está acompanhada de equilíbrio e inteligência emocional. Gostaria, ao menos, de ter a chance de me explicar quando me sinto