9 de julho de 2018

Amor


Ah o amor
quantas voltas nos faz dar
quantas buscas, encontros e acertos.
Quantas idas e vindas permeiam uma história
lágrimas, sorrisos e abraços.
Quantos laços, casos e descasos.
O coração acelera, desespera e não se cansa
E o amor vai transformando tudo,
numa supremacia inquestionável.
Enfrenta nossas próprias marés,
desafia nossos cantos cartesianos,
e debocha de nossos maiores reveses.
No horizonte rosado, possível e intuitivo
surgem ainda inquisições pragmáticas.
E algo mais forte, sublime e cortês
nos afaga e susurra,
o amor, é a resposta para tudo.

Sonhos!


Como não ter sonhos?
Sonho até acordada!
Principalmente, eu diria.
Estamos em alerta constante,
por algum motivo real,
conectividade premente.
Mas o pensamente flutua
a alma passeia
e o coração anseia.
Passos largos para um abraço
caminhando com graça e gentileza,
buscando portas abertas e
janelas escancaradas,
para encontrar nossas verdades.


5 de julho de 2018

Instante

As palavras foram expressas
de maneira avessa,
com imensidões de véus
e acontecimentos breves.
O perfume que atravessava o verbo
era a partilha necessária
e certeira,
que acalentava espaços.
Quase tudo trazia um querer
e abraçava vontades.
Quando chegava a noite,
debruçava, latente
sobre sonhos e laços.
Tão impreciso
na fagulha de êxtase
e lapso incandescente.
Verdades e contramão.




3 de julho de 2018

Códigos

Meu desejo dissonante
que tais códigos
Demandem por mim.
São segredos e infinitos,
Composições dos meus conflitos.
Êxtase circunflexo
Que me descaminha
Por um estado perplexo
Apalpa meus porões absurdos
E meus desígnios diatônicos
Eu estou aqui
Me embriagando dos tons
Me nutrindo das notas e sons
Cada vez mais adentrando dicotomia
Ingressando nessa paisagem
Como se cada mensagem
Estivesse pactuada aos meus instantes.
Me encontro só.
Paralisada pela beleza
Engessada pela gentileza
Aglutinada à intenção de interpretar,
Num tropeço implacável com vírgulas e interrogações.
(Carmen Eugenio)

Paragem


E aquele lugar te faz sorrir
Aquela voz te faz imaginar
Aquele instante te faz sonhar.
Como se tudo que foi dito
Faça todo o sentido
E espalhe aromas
Colha desejos
E insista em devaneios.
Não precisamos procurar mais
O que perfuma por dentro
Todas as utopias, enfim,
Colam-se aos cristais do tempo.
Resistir? Pra que?




De Stella Para Romilce

 Na mesa estavam: papai, mamãe, vovô e vovó. Depois de vários dias e muitos nomes, restaram apenas dois nomes para escolherem: Carla ou Stel...