A Paixão do Salvador

Em seus passos,

a dolorosa aflição

do pérfido martírio.

O fardo extremo da cruz,

castigava seu

combalido dorso

por pisaduras sangrentas.

A coroa de espinhos,

guardava o desidério

de lacerar sua carne.

 

Em sua face,

As lágrimas escorriam

num torpor retorcido

ante o soturno,

iminente

e pérfido epílogo.

Ele pereceu,

levando consigo

o lúgubre magma

da transgressão humana.

E foi assim,

pela paixão de Cristo

e seu infinito amor,

que fomos sarados.

 



 

Comentários