Tudo outra vez no Verão

 

O verão chega no fulgor da manhã,

assaz sorridente por janelas envidraçadas.

Um calor de dezembro e abraços fraternos,

se estendem nas horas de tardes molhadas.

 

Os poros se abrem entre sorrisos,

suores perdidos em toque ardente,

o ardor de um sopro que tanto inspira,

a consciência desperta, de um clamor latente.

 

Tudo outra vez no verão,

sem insistir nos mesmos pecados.

O solstício prediz movimentos de luz,

e o sabor de manga, traz sublimes recados.



 

 

Comentários