3 de maio de 2020

Casamento? Por que não?

A beleza atrai, mas não segura.
O dinheiro atrai, mas não segura.
A juventude atrai, mas não segura.
Qual o seu maior capital para investir em uma relação a dois?
Minha aposta é paciência, empatia, resiliência.
Um tripé que é bem-vindo: respeito, confiança e admiração.
Você tem que decidir que vai fazer dar certo.
Nada dá certo ao acaso. O casamento não sobrevive sozinho. Você tem que fazer dar certo.
O que você espera de um casamento? 
Companheirismo, apoio mútuo, crescimento pessoal e espiritual. Ou apoio material apenas?
Percebo que quando tudo se apoia no material apenas, algo superficial como beleza, dinheiro e juventude, a relação não sobrevive. Não consegue superar adversidades.
Vai daí que...Buscando algo para continuar, buscando motivos para permanecer, buscando objetivos que justifiquem a caminhada a dois, pode acontecer de dar certo. 
Afinal, se aconteceu e foi bom, já deu certo. 
Seja feliz encontrando razões para viver com leveza. 
Não é preciso muito ou todas as respostas. 
Saia do próprio ego. Olhe o próximo.
A vida vai fazer mais sentido e você vai entender, que grandes respostas residem em coisas muito simples. Uma espécie de segredo, que qualquer um pode acessar. Basta querer. Saia do próprio ego, esqueça-o, para ser mais feliz.




Lixo espalhado? De novo?

Domingo de manhã, começamos a nossa caminhada pelo bairro e constatei algo muito ruim: todos os sacos de lixo reciclável estavam abertos, com resíduos plásticos espalhados pela rua. Isso acontece sempre e é lamentável ver esse cenário. Os catadores de lixo aqui em Campo Grande-MS, abrem os sacos para tirar o que lhes convém, mas não os fecham novamente. Se chove, a água leva os resíduos rua abaixo até chegar ao parque e ao rio, entupindo todos os bueiros pelo caminho. Bem triste.
Na quadra em que moro, há um cidadão que sempre dá refeição a um morador de rua. Que atitude bacana. Mas na sequência, o morador de rua, abandona o prato de isopor e a sacola ali mesmo, na calçada. Esperar o quê... E aí vem o vento e esparrama todo aquele lixo pela rua, até chegar no rio logo abaixo.
Durante a caminhada, na Via Parque sentido Parque do Sóter, há uma trilha de sujeira na pista de caminhada e ciclismo. Plásticos, garrafas e papéis jogados ao longo da via. Claro que há uma evidente falta de educação. Mas observo também que faltam lixeiras em diversos locais públicos. O certo, meu Deus que óbvio, é cada um recolher seu lixo. Mas, infelizmente, para algumas pessoas falta o principal: o senso de coletividade e respeito pelo meio ambiente.
A consequência desse desprezo pelo meio ambiente é sempre o mesmo: enchentes cada vez mais frequentes devido ao entupimento de bueiros e rios poluídos e transtornos na cidade. Campo Grande fica com grandes áreas alagadas em dias de muita chuva.
O ideal é cada um cuidar do seu entorno.  Não ficar esperando providências governamentais apenas.

Quarentena, meu bem!

Campo Grande está em quarentena desde março de 2020, em razão da pandemia do COVID 19. 
Muitas pessoas ficaram totalmente confinadas. Aqui em casa, ainda saíamos para o supermercado e farmácia, quando necessário. Curtimos o jardim, o quintal, as flores, ficamos ao sol,  na piscina.
No meu trabalho, ficaram pessoas atuando. A cada semana, foi aumentando o número de trabalhadores. Começamos com Home Office e fazendo reuniões em teleconferência, mas aos poucos fomos voltando. Agora trabalhamos durante 5 horas e com máscaras. Em Campo Grande o comércio já retornou, com a cautela necessária. Há um decreto que recomenda o uso de máscaras e a população tem acatado o regulamento.
Em família já temos o costume de fazer atividades em casa. Sentimos falta da caminhada pelo parque, que substituímos pela caminhada pelas ruas da cidade e ciclismo. Nos dedicamos à gastronomia e jardinagem, atividades super gratificantes. Filmes e música também preenchem nossos dias. E assim vamos seguindo, um dia após o outro, cuidando um do outro e nos preparando para o mundo que virá no pós-pandemia.

30 de outubro de 2018

Táticas de Guerra

'Uma das táticas de guerra mais antigas
consiste em quebrar o espírito do adversário,
retirando dele toda a disposição de lutar.
Não se deixem tomar pelo desânimo,
nem pelo derrotismo.


9 de julho de 2018

Sonhos


Como não ter sonhos?
Sonho até acordada.
Principalmente, eu diria.
Estamos em alerta constante,
por algum motivo real,
conectividade premente.
Mas o pensamento flutua,
a alma passeia
e o coração anseia.

Passos largos para um abraço
caminhando com gentileza,
buscando portas abertas e
janelas escancaradas,
para encontrar nossas verdades.


3 de julho de 2018

Códigos


Meu desejo dissonante
é que tais dilemas
Demandem por mim.
São enigmas e amplidões,
Composições dos meus conflitos.

Êxtase circunflexo
Que me descaminha
Por um estado perplexo,
Apalpa meus porões absurdos
e minhas vontades.

Eu estou aqui
Embriagando-me dos tons,
Nutrindo-me das notas e sons
e alguma dicotomia.

Ingressando nessa paisagem
Como se cada mensagem
Estivesse pactuada,
Paralisada pela beleza,
Engessada pela gentileza,
Aglutinada em contradições.

 Encontro-me só,

num tropeço implacável com vírgulas,

interrogações

e o querer decifrar códigos.




Paragem


E aquele lugar te faz sorrir,

Aquela voz te faz imaginar,

Aquele instante te faz sonhar.

 

Como se tudo que foi dito

Faça todo o sentido

E espalhe aromas.

 

Colha desejos

e acredite em quimeras.

Não é preciso procurar mais

o que acaricia por dentro.

Todas as utopias, enfim,

colam-se aos cristais do tempo.

Resistir? Para que?





31 de maio de 2018

Minha História

Há 26 anos, eu iniciava a carreira na Prefeitura de Campo Grande, como Profissional de Promoção Cultural.
Eu nem imaginava o universo de experiências que se descortinaria à minha frente. Afinal, quem pode imaginar aos vinte e poucos anos, recém egressa da Universidade Federal-Faculdade de Artes, o significado desse compromisso?
Cheguei e logo assumi os núcleos de Teatro e Dança, pois Jo saía para licença gestante. Uma grande responsabilidade ocupar o lugar de alguém com tanto talento.
O teatro já era amor antigo, iniciado na escola. Na Universidade Federal, então pupila do Mestre Eduardo Borges e Marly Damus, criei  o Grupo Bombom de Teatro de Bonecos, juntamente com as amadas: Leonor Lopes S Saad, Cláudia Maluf Barcelos Borges e Mônica. Depois, participei do Grupo de Teatro Alma de Circo, sob a direção de Andre Finger, trabalhando ao lado de Caio Ignacio , Adilson Schieffer Elvira Brandão, Isac Zampieri, Conceição Leite e Jair Damasceno. Após esses projetos, em 1991, já atuando como arte-educadora, montei o Grupo Reverbel de Teatro, (uma homenagem à Olga Reverbel) com alunos da escola estadual Arlindo de Andrade Gomes, dentro do Projeto de minha autoria ‘A Escola Vai Ao Teatro’, inteiramente financiado pela Secretaria Estadual de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul. O projeto foi um sucesso tremendo e recebeu o Prêmio de Melhor Ator para Glauber, a partir da montagem da peça adaptada de Millôr Fernandes – ‘Vivaldino Servidor de Dois Patrões’, cuja estreia aconteceu no Teatro Aracy Balabanian, em 1991 e circulou por mais de quinze cidades do interior do estado, para apresentação em escolas estaduais. Essa experiência fantástica mudaria para sempre a concepção de cultura e arte na vida daqueles jovens espectadores. Mudaria mais ainda, a minha própria vida e dos alunos que participaram deste grande projeto: Glauber Runkel, Leonardo Arruda Calixto, Marina de Oliveira, Paulo Reis, Marlom, Anderson e Taciana Reis Angeli Reis (entre outros).
Na área de Dança, meu primeiro projeto foi ‘Dança para Todos’, para o qual convidei Suzana Nazaret Dolabani Leite para participar, abrindo, generosamente, sua escola de Dança para ensinar Ballet Clássico a crianças carentes. Lindo demais.
Desde então, foram centenas de projetos na área cultural. Nós, profissionais de Cultura, atuamos desde a elaboração de Projetos até a Produção e Execução de Eventos. Tive também a oportunidade de Coordenar os Eventos no Calçadão da Barão que encantaram a cidade, com a participação de grandes artistas. Coordenei por anos e ampliei a equipe de Comunicação, onde constatei a imensa parceria dos órgãos de imprensa para a divulgação de eventos culturais. Sou pura gratidão a esses profissionais e veículos de imprensa. 
Para que meus colegas tivessem pleno conhecimento das realizações da secretaria, criei nessa época a página da Sectur no Facebook , Instagram e WhatSapp para que TODOS tivessem acesso à divulgação de nossos eventos. Antes disso, somente as chefias e alguns funcionários da sede tinham pleno acesso às informações dos eventos culturais realizados pela secretaria. Naquela época, os colegas que trabalhavam nas unidades, tinham dificuldade em  informar o cidadão campo-grandense ou de outras cidades, sobre os eventos realizados pela secretaria como por exemplo, datas, horários e locais de oficinas de artes, exposições e shows. Hoje, além do conhecimento, todos podem compartilhar as ações e, principalmente, participar de todas elas. 
Tive também a honra de participar do Conselho Municipal de Políticas Culturais. Como gestora da Divisão de Literatura, indicada pela primeira vez pelo Presidente da Fundação de Cultura Americo Yule, a quem serei eternamente grata pela confiança, coordenei os inúmeros projetos da área e salas de leitura nos bairros, instalamos a sala de leitura da Associação de Moradores do Bairro Maria Aparecida Pedrossian, com o caro amigo Janio Batista Macedo e em 2016, tornamos a Biblioteca Municipal do Horto Florestal, um Centro Multicultural, aberta a diversas linguagens artísticas e oficinas, adequando-a ao Manifesto da UNESCO Para Bibliotecas Públicas, de 1994. Uma mudança difícil e profunda que beneficiou toda a cidade, proporcionando, além do acesso à literatura, o acesso à diversas oficinas artísticas ( como Origami, História em Quadrinhos e Contação de Histórias), exposições de artes plásticas, saraus e espaço de férias para as crianças com a participação de artistas renomados do Estado de MS. 
Durante doze anos fui membro do Cerimonial do Gabinete do Prefeito(1993 a 2005), sendo indicada como gestora do mesmo, em 2013.
Poderia contar a vocês centenas de histórias, passagens, cenas de bastidores, etc., que tecem minha trajetória. Houve infinitas alegrias e também tristezas. Mas, se as alegrias nos suavizam, são as dificuldades que nos aperfeiçoam, nos desafiam, nos mostram o valor da humildade e indicam o caminho. Aprendi, assim, a ter gratidão pelos obstáculos que mais ensinam do que ferem.
Sozinhos não construímos nada. Mas sim, em equipe. E a nossa equipe é maravilhosa. É uma família. Tenho convicção de que, a legítima missão do gestor público seja trabalhar pela comunidade, contribuindo para sua melhoria, transformando vidas e promovendo ações e talentos que potencializem a evolução de toda a sociedade. 
Outra coisa que tenho absoluta certeza: assim como cada um tem a sua própria história de vida, eu tenho a minha história e ela é indelével. E com essa história eu tenho honrado o compromisso de servir nossa cidade.
O tempo passou, mas continuo apaixonada pela minha carreira ligada à Cultura.
Apaixonada, é pouco. Trata-se de um superlativo: apaixonadíssima.
Minha eterna gratidão a Deus, à minha família, a todos os amigos que fazem parte dessa história e a todos os prefeitos que confiaram na minha capacidade, que apoiaram quase que incondicionalmente meus projetos e ações e valorizaram meu trabalho.
GRUPO REVERBEL DE TEATRO

 GRUPO REVERBEL DE TEATRO - CAMPO GRANDE MS


26 de novembro de 2017

O Mundo é seguro.

Talvez essa seja a principal competência e desafio: 
olhar o mundo com afeto, 
respeito, compaixão , 
suavidade.  
Somente dessa forma 
podemos acreditar 
sermos dignos de receber amor. 
Modifique paradigmas e crenças . 
Tire os óculos da desconfiança.  
Só então , 
será possível respirar profundamente 
e entender que está tudo bem!
O mundo é um lugar seguro!

15 de novembro de 2017

Não Guarde Mágoas

Não guarde mágoas. 

Guarde lembranças que edificam,

lições de vida e coleções de sorrisos.

Palavras de apoio, músicas, poesias.

 

Não guarde mágoas.

Somos seres em evolução,

passíveis de falhas.

Inexiste perfeição.

Perdoe. Perdoe sempre, mas acima de tudo, perdoe-se.  

Anule sentimentos ruins como o medo, a culpa, a raiva 

Ou diminua seu poder sobre sua vida,

dando-lhes menos importância e atenção.

 

Seja qual for sua crença e convicção.

Agora,

jogue tudo que for negativo fora.

Se algo ensinou, cumpriu a missão.

Estamos aqui de passagem. 

Esqueça o peso da bagagem.

O Universo é generoso, o amor é infinito.

Você é fagulha e emoção

E a fé nos dá proteção.

 

 





4 de julho de 2017

Eu mesma


Convivo com o pouco explicado,
Enxergo meu reflexo,
Esqueço mal-entendidos.
Coexisto com o sem-nexo.
 
Gosto de olhar para o mar.
Conheço estradas e solidão.
Tenho uma bicicleta, muitos livros.
Saudades de algumas coisas, outras não.
 
Perfume. Veneno. Doce. Devaneios.
São tantas voltas por mim mesma,
que, quando paro, acho graça,
até da pedra que encontrou vidraça.